Artigos

Conheça os palestrantes e assuntos que serão abordados no evento.
11
nov

Top de Marketing traz a Porto Alegre o autor de bestsellers Stephen Shapiro

Faltam poucos dias para o evento de Marketing mais tradicional do Estado, que identifica e reconhece os melhores cases empresariais e institucionais, o Top de Marketing. Junto ao 25º Congresso de Marketing, integra o Fórum da Transformação 2016, realizado pela ADVB/RS, no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, nos dias 16 e 17 de novembro. Na sua 34ª edição, o Top passou por uma importante reformulação e conta agora com categorias temáticas: Conexão com stakeholders, Construindo marcas de sucesso, Eficácia da comunicação e Mudando paradigmas; além das categorias setoriais (bens de consumo, serviços, indústria, agronegócio, varejo e e-commerce, construção civil e saúde). Na cerimônia de premiação, dia 16, também será revelado o Grand Prix Top de Marketing ADVB/RS 2016, distinção especial à empresa cujo case obtiver a pontuação mais alta, entre todas as candidatas das categorias temáticas.

Outro ponto alto do evento deste ano será a participação de um convidado especial, o autor de bestsellers, Stephen Shapiro. Na obra “As melhores ideias são estúpidas”, o americano  promove a inovação, mostrando a líderes e suas equipes como abordar e resolver seus desafios nos negócios. Leia, abaixo, a entrevista concedida pelo autor:

Fórum: Em um mundo altamente conectado e com grande volume de informações, que tipo de conexões podem ser criadas entre a marca e o consumidor? E o que as marcas devem mudar para tornar esta relação possível?

Shapiro: A chave para a inovação é a diferenciação; é a razão pela qual as pessoas fazem negócios com você e não com outra pessoa. A diferenciação não é a realidade, mas a conversa que acontece no supermercado. Por exemplo, nos Estados Unidos, se eu perguntar às pessoas qual rede hoteleira tem a melhor cama, 8 de cada 10 pessoas vão dizer “Westin”. Por quê? Eles criaram a marca “Heavenly Bed.” Suas camas são as melhores? Não necessariamente. Mas a realidade é menos importante do que a percepção. Sua marca não é um logotipo, uma combinação de cores ou um slogan. Sua marca é o que seus clientes dizem que ela é. Portanto, seu objetivo no marketing é influenciar essa percepção para aumentar a diferenciação.

Fórum: Qual ou quais as melhores fontes de conhecimento para auxiliar as marcas na busca por inovação? A tecnologia, a concorrência, a audiência? E por quê?

Shapiro: Embora você queira entender o que a concorrência está fazendo, você não quer basear seus esforços de inovação nisso. Replicar nunca é inovar. Observar o que a concorrência não está fazendo pode ser uma fonte de inovação. E a compreensão do papel das tecnologias disruptivas também pode inspirar algumas ideias novas. No entanto, o ideal é você olhar para seus clientes e considerá-los como sua fonte de inovação. Não me refiro a pedir-lhes o que eles querem, mas sim dar-lhes o que eles precisam e valorizam. A chave deste processo é primeiro determinar o seu elemento diferenciador e, em seguida, “inovar onde você se diferencia.” O que diferencia você da concorrência? Qual é a razão pela qual as pessoas fazem negócios com você hoje e continuarão a fazê-los no futuro? Estas respostas devem impulsionar seus esforços de inovação.

Fórum: No seu livro “As melhores ideias são estúpidas” vocês escreve que falhar é sempre uma opção, e que olhar para a inovação como uma série de experiências permite redefinir a falha e aprender com os seus resultados. Assim, as marcas precisam abandonar a ideia de que não podem errar? É importante experimentar, mesmo correndo riscos que possam trazer impactos pequenos ou importantes para o negócio?

Shapiro: A realidade é: você não quer falhar. Você quer experimentar. O objetivo de um experimento é provar ou refutar um conceito. Se você reprova o conceito, isso não é falha. É um resultado muito positivo de uma experiência. No entanto, se suas experiências “provam” que uma ideia é boa quando na verdade não é, isso o levará ao fracasso. Uma organização que domine a capacidade de criar pequenas experiências escaláveis será bem-sucedida a longo prazo.

Fórum: Em outro trecho você escreve que em vez de dar aos empregados um quadro em branco, as empresas devem fornecer parâmetros bem definidos que aumentarão a produção criativa dos seus colaboradores. Hoje, com tanta inovação e competitividade, a criatividade é a principal ferramenta de trabalho para o sucesso de uma organização?

Shapiro: Criatividade é importante, mas não é o mesmo que inovação. A inovação gera valor para uma organização. A criatividade só gera ideias. A melhor maneira de inovar é começar com um desafio bem definido. Que problemas precisam ser resolvidos? Que oportunidades nos ajudarão a nos destacar da concorrência? Que medidas precisamos tomar para permanecer relevantes no futuro? Em seguida, dedique tempo para reformular o desafio várias vezes. As perguntas que elaboramos têm um profundo impacto sobre as possíveis soluções que geramos. Embora sejamos levados a crer que a abordagem da “folha em branco” é a melhor, há poder nas restrições. Encontramos melhores soluções quando recebemos alguma estrutura. E a melhor estrutura é uma questão bem formulada.